Estrutura da placenta epiteliocorial em tubarões e sua interação materno-fetal

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

André Luiz Veiga Conrado
Carlos Eduardo Malavasi Bruno
Thierry Salmon
Renata Stecca Iunes
Fernanda Cardoso
Cristiane Cagnoni Ramos

Resumo

Em mamíferos, a nutrição intrauterina de embriões ocorre através da placenta. Porém, em tubarões vivíparos placentários da ordem Carcharhiniformes (famílias Leptochariidae, Triakidae, Hemigaleidae e Carcharhinidae), a nutrição de embriões pode ocorrer de três formas: lecitotrofia (vitelo); histotrofia (secreções uterinas) e placentotrofia. Nesta revisão, é discutida a similitude anatômica, fisiológica e, principalmente imunológica, entre as placentas de tubarões e de mamíferos, mostrando que a tolerância materno-fetal em tubarões placentários e mamíferos é dependente de proteínas como a indoleamina 2,3 – dioxigenase, interleucina-1 e proteínas específicas da gestação.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Veiga ConradoA. L.; Malavasi BrunoC. E.; SalmonT.; Stecca IunesR.; CardosoF.; Cagnoni RamosC. Estrutura da placenta epiteliocorial em tubarões e sua interação materno-fetal. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 18, n. 2, 3 ago. 2020.
Seção
ARTIGOS