Megaesôfago secundário à persistência do quarto arco aórtico direito em gato: relato de caso

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

C. V. S. Sousa
M. O. Freitas
A. K. G. Nunes
J. A. P. Silva
C. P. Landim
Z. J. Souza Júnior
L. C. V. Medeiros
C. F. Leonez
J. S. Gonçalves
L. C. A. Pinto
F. R. Souza
L. M. A. Nascimento
J. M. A. P. Antunes

Resumo

As anomalias de anel vascular são malformações congênitas decorrentes de defeitos na embriogênese dos arcos aórticos. A persistência do 4º arco aórtico direito (PAAD) é um exemplo destas alterações, e ocorre quando esse arco persiste ao invés do esquerdo, levando a constrição do esôfago. Animais acometidos por tal alteração, geralmente, apresentam regurgitação e vômitos recorrentes. Radiografias torácicas revelam mediastino cranial ampliado, com ou sem sinais de pneumonia por aspiração, podendo haver evidência de um esôfago dilatado. Uma das técnicas que possibilitam o estabelecimento do diagnóstico é a radiografia contrastada do órgão, que permite ressaltar, além de megaesôfago, uma constrição esofágica na base do coração. Anomalias vasculares são raras em gatos, sendo, desta forma, difícil o estabelecimento de uma predileção racial na espécie. Este trabalho relata um caso de megaesôfago por persistência do 4º arco aórtico direito em um felino.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM VETERINÁRIO (SINDIV)