Mortalidade de aves notificadas ao serviço veterinário oficial estadual do Rio Grande do Sul no período de janeiro a julho de 2015

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

D. L. Azevedo
F. L. Campos
F. B. Borges Fortes
F. Loureiro

Resumo

A avicultura, segmento agropecuário de grande relevância no Estado do Rio Grande do Sul, está concentrada na Serra Gaúcha e na região do Vale do Taquari. O trabalho do Serviço Veterinário Oficial (SVO) na área de avicultura é baseado nas legislações federais e estaduais vigentes. O presente trabalho trata da atuação do SVO que, dentre outras atribuições, recebe as notificações e investiga as causas de mortalidades atípicas em qualquer espécie de ave, incluindo as de produção. Na análise efetuada procura-se verificar se a mortalidade foi por uma causa infecciosa, por sinistro (incêndios, inundações, tempestade, etc.) ou decorrente de falhas humanas (erro de manejo). Após essa verificação, o SVO delineia a sua atuação, definindo a necessidade de colheita de material e aplicação dos demais procedimentos no caso de uma suspeita fundamentada de doença de notificação obrigatória. O objetivo deste estudo foi realizar o levantamento das causas de mortalidades de aves ocorridas no primeiro semestre de 2015. Até o mês de julho de 2015, foram contabilizadas 110 notificações de mortalidade, tendo o mês de janeiro o maior número de ocorrências, com 26 casos. Foram contabilizadas 371.997 aves afetadas e os diagnósticos das notificações foram: colibacilose 31%, estresse térmico (calor) 13%, refugagem 10%, Salmonella gallinarum 9%, erro de manejo 7%, onfalite 7%, estresse térmico (frio) 2%, ascite, desidratação, encefalomielite e enterite com 1,8% e asfixia, botulismo, enterite bacteriana, intoxicação e micoplasmose com 0,9%. Verifica-se, portanto, a importância do controle sanitário dos animais, visando a prever e, se for o caso, controlar de forma ágil e eficiente qualquer ocorrência de ordem sanitária, visando ao bloqueio da dispersão do agente patogênico. A colibacilose foi o diagnóstico de maior ocorrência e com distribuição mensal no período estudado, o que indica a necessidade do delineamento de um plano de ação voltado para essa enfermidade. Em relação às enfermidades notificadas, em todos os casos foi descartada a hipótese de ocorrência de Influenza Aviária e da Doença de Newcastle.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Palavras-chave
defesa sanitária animal; aves; serviço veterinário oficial
Seção
RESUMOS ENDESA