Schwannoma retrobulbar em cão

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carolina Grecco Grano
Kerriel Thandile Green
Giovana Wingeter Di Santis
Mirian Siliane Batista de Souza
Marcelo de Souza Zanutto

Resumo

Tumores de nervos periféricos são incomuns em cães. O Schwannoma maligno é a classificação histológica mais frequente dos tumores da bainha encontrado em cães e se originam da proliferação neoplásica das células de Schwann, fibroblastos perineurais ou de ambos. Estes tumores apresentam aspecto infiltrativo e não são encapsulados. Microscopicamente são células pouco diferenciadas, pleomórficas, anaplásicas, que infiltram os tecidos adjacentes ou metastizam para outros tecidos do organismo. Este trabalho é o relato de um caso de Schwannoma intracraniano em cão. Uma cadela sem raça definida, não castrada, cinco anos, foi atendida no Hospital Veterinário da UEL em 2012 com histórico de aumento de volume no globo ocular direito (GOD) há três semanas e aumento em região submandibular direita há quatro dias. Ao exame clínico foi detectado bradicardia, desidratação leve, aumento de volume em região retrobulbar direita com deslocamento do globo ocular cranialmente, síndrome de Horner e uveíte. Ao hemograma observou-se linfopenia e os exames bioquímicos estavam normais. Foram realizadas radiografias do crânio, nas quais não foram visibilizados sinais de comprometimento ósseo da região ocular direita, como também foram realizadas radiografias torácicas nas quais não havia sinais de metástase pulmonar. Ao exame ultrassonográfico observou-se presença de massa com limites mal definidos em região retrobulbar de GOD sem sinais de acometimento do globo. Ao Doppler verificou-se baixa vascularização, não foi possível determinar sua extensão e limites. Durante o internamento o animal permaneceu bradicárdico, quando a frequência cardíaca aferida encontrava-se abaixo de 60bpm era realizado atropina (0,044mg/kg) por via SC ou IV. Com cinco dias de internação o animal começou a apresentar dificuldade de deglutição. Foram discutidas as opções de tratamento e qualidade de vida com os proprietários e estes optaram pelo procedimento cirúrgico para a excisão da massa, e caso não fosse possível reduzir a compressão ou retirar toda a massa optariam pela eutanásia. Contudo na manhã do procedimento o animal apresentou parada cardiorrespiratória e veio a óbito. À avaliação macroscópica observou-se neoformação esbranquiçada fixada à base do crânio em região selar, infiltrando no sistema nervoso na altura do hipotálamo, estendendo-se caudalmente em direção ao tronco encefálico e cranialmente à órbita direita, comprimindo o GOD. Microscopicamente consistia de feixes curtos entrelaçados ou enovelados de células fusiformes com pleomorfismo discreto a moderado, alternando-se áreas de necrose multifocalmente.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
GRANO, C. G.; GREEN, K. T.; DI SANTIS, G. W.; SOUZA, M. S. B. DE; ZANUTTO, M. DE S. Schwannoma retrobulbar em cão. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 11, n. 3, p. 76-76, 11.
Palavras-chave
cão; Schwann; câncer
Seção
RESUMOS CONBRAVET